GATHERING

Encontros Ibéricos de Teatro Universitário


Contactar com os grupos de teatro académico permite-nos conhecer as suas diferentes realidades e desafios. A dinâmica que cada um constrói, resulta de muitos factores.

O teatro académico é por natureza um lugar de manifesto, de desenvolvimento pessoal e colectivo, que cresce através da partilha de experiências e de todo o trabalho realizado pelos seus intervenientes. Serve assim, não só aos estudantes, mas também a todas as estruturas e instituições académicas. Mas, a importância destes colectivos vai muito além da academia. A participação de grupos de teatro académico em eventos, nacionais ou internacionais, é, ou pode ser, motor de actividade cultural e social nos locais onde eles ocorrem.

Mas como vemos, vivemos e pensamos o teatro de génese académica?

Watch live:
FACEBOOK Live Adicionar à agenda

13 MAY | 18H00

2 horas

MODERATOR


Júlio Martín da Fonseca
Júlio Martín da Fonseca

Doutor em Artes pela Universidade de Lisboa, com a tese Artes performativas: formação, informação e transformação :uma visão transdisciplinar de um estudo de caso.
Actor, encenador, investigador e professor, é desde 2008 diretor artístico do TUT - Teatro Académico da ULisboa, a que pertence desde a sua fundação. Como Coordenador e investigador do GECAPA – Gabinete de Estudos de Cultura, Artes Performativas e Audiovisuais do CLEPUL, pode-se destacar a organização do I Colóquio Internacional – A Inter e a Transdisciplinaridade nas Artes Performativas e Audiovisuais, em 2014, e as I Jornadas de Investigação Artística Transdisciplinar e Arts-Based Research, em 2016, na Faculdade de Letras da ULisboa.
Como actor e encenador tem trabalhado com diversos grupos, é membro do Teatro Maizum, e tem participado em variadíssimas produções de Teatro, Dança, Ópera, Televisão e Cinema, em Portugal, Espanha, França, Inglaterra e República Checa.

ORADORES


Ana Isabel Augusto
Ana Isabel Augusto

Mestre em Educação Artística – Ramo de Teatro (ESELx – IPL). Está a frequentar o Doutoramento em Educação Artística no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. É socióloga (Sociologia do Trabalho – Gestão e Planeamento de Pessoal, ISCSP). Em 1997 tirou um curso de formação de actores na companhia de teatro «Os Satyros». Trabalhou como atriz, em luminotecnia, sonoplastia, produção, escrita de bandas sonoras e assistência à encenação. Em 2001 fundou e começou a encenar o mISCuTEm – Grupo de Teatro do ISCTE-IUL. Tem tido diversas experiências como actriz e a dar aulas de teatro a outros grupos em contexto formativo e escolar. Coordena o departamento de Educação Artística da Associação Casa Estrela-do-mar (Associação que fundou em 2011). Frequenta diversas formações, nomeadamente na Fábrica das Artes, na Culturgest e no C.E.M., estágios com a companhia de teatro "O Bando" e outros cursos, destacando o de Cultura Teatral e o Curso de Actores/Formadores no Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa, Portugal).

Alberto Rizzo
Alberto Rizzo

Director, dramaturgo e investigador teatral. Licenciado en Arquitectura por la Università degli Studi di Genova, con maestría en artes escénicas y gestión cultural. Fundador de La Coquera Teatro - con la que ha montado una quincena de obras - y del Festival MUTIS de teatro independiente de Barcelona, certamen que este 2021 ha alcanzado su decimosegunda edición. Ha colaborado con artículos en revistas (Red Escénica, Artes Escénicas, ADE, Anagnórisis) y ha publicado un libro de ensayo Haciendo mutis (Dédalo, 2013), piezas de microteatro, por ejemplo en El tamaño no importa (Asociación de Autoras y Autores de Teatro, 2018) y dos de sus obras Almisdaé (Dédalo, 2013) y Carrusel (La cabaña del loco, 2019). Desde 2018 es presidente de la Federación Española de Teatro Universitario.

Diogo Figueiredo
Diogo Figueiredo

Músico, Técnico, Performer e Professor. Como membro e dirigente do CITAC (2014- ... ) entra no contexto da interpretação, produção e programação teatral, onde realiza várias performances e colaborações. São de destacar REORG, encenado por Rodrigo Santos (2016) e Os Sapatos (2017), encenado por Cheila Pereira e Margarida Cabral (2017), ambas peças vencedoras do “1º prémio cidade de Lisboa” do festival FATAL. Atualmente ocupa o cargo de tesoureiro no organismo, tendo feito parte do Conselho Fiscal por 5 anos.

João Nunes
João Nunes

Licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro, é atualmente estudante do Mestrado em Comunicação Multimédia, na mesma Universidade. O seu interesse pelo audiovisual e multimédia começou na secundária onde co-fundou uma rádio escolar, tendo vindo a colaborar também com a Rádio AVfm (em Ovar). Durante a sua licenciatura envolveu-se no projeto associativista, integrando o Núcleo de Estudantes de NTC e posteriormente a Associação Académica da UA. Em 2019 foi premiado pelo Departamento de Comunicação e Arte na categoria de "Novos Formatos", com um projeto audiovisual transmédia. No mesmo ano integrou um projeto de investigação na Universidade de Aveiro relacionado com tecnologias de interação por voz. Desde então tem colaborado com o GrETUA - Grupo Experimental de Teatro da Universidade de Aveiro na produção de conteúdos audiovisuais, tendo participado no Curso de Formação Teatral em 2019 e no Curso de Teatro Radiofónico em 2020. É, atualmente, o co-coordenador do Grupo.

João Coutinho
João Coutinho

Licenciado em Design pela Universidade de Aveiro, frequentou o programa Masters of European Design, estudando um ano na Köln International School of Design (Estudos de Design Integrados) e o seguinte na Escola de Inovação da Glasgow School of Art (Design de Serviços e Produto).
Participa desde 2017 na direção do GrETUA - Grupo Experimental de Teatro da Universidade de Aveiro enquanto designer, passando entre 2018 e 2019 a coordenar a equipa de imagem e a desempenhar papéis de produção, apoio à coordenação, apoio à direção artística e apoio à concepção cenográfica, entre outros. Em 2020 é eleito como co-coordenador do núcleo.
Entre Março de 2019 e Setembro de 2020 é Coordenador de Comunicação da associação Comédias do Minho.

Rui Pires
Rui Pires

Frequenta atualmente o Doutoramento em Media Artes na Universidade da Beira Interior. Realizou estudos de doutoramento, com aproveitamento, entre 2015 e 2019, em Estudos da Literatura e da Cultura, onde investigou nas áreas do Teatro e Artes Cénicas, na Universidade de Santiago de Compostela, Espanha. Tem Mestrado em Estudos Didáticos, Culturais, Linguísticos e Literários, e é licenciado em Ciências da Comunicação, ambos pela Universidade da Beira Interior. Tem Curso Profissional de Estratégias de Programação Cultural; e o Certificado de Competências Pedagógicas. O seu percurso artístico teve início em 1999. Tem formação nas áreas do teatro, dramaturgia, dança contemporânea, cinema, televisão e performance, frequentada em Portugal, Espanha, Venezuela e Costa Rica. Desenvolve a sua atividade artística na ASTA desde 2003, como ator, diretor/encenador, programador, produtor, formador e responsável de comunicação. Em 2020 cria e programa para a ASTA o Festival de Artes de Rua - Portas do Sol. Em 2011 cria e programa a ensinARTE – Mostra de Teatro Escolar. Em 2006 cria, para a ASTA, e programa o Festival de Dança e Movimento Contemporâneo contraDANÇA, ambos até à atualidade. Integra o TeatrUBI- Grupo de Teatro da Universidade da Beira Interior em 2000 como ator. Em 2003 acumula as funções de produção, programação, direção e gestão. Em 2009 assume a direção artística/encenação e formação, até hoje, contratado pela Universidade da Beira Interior. Ainda no TeatrUBI é o diretor e programador do certame internacional Ciclo de Teatro Universitário da Beira Interior desde 2003. Deu aulas de teatro, movimento e improvisação na Universidade de Granada, Espanha, onde também coreografou o espetáculo Granatia em 2019. Professor no Curso Profissional de Animação Sociocultural na Escola Secundária Frei Heitor Pinto, na Covilhã (2012). Professor de Expressão Artística e Teatro no Agrupamento de Escolas do Teixoso (Covilhã), entre 2009 e 2011. Professor de Expressão Artística (em 2005 em Madrid) ao abrigo do Programa SCREM da Organização Internacional do Trabalho das Nações Unidas (projeto para a erradicação do trabalho infantil pelos média, artes plásticas e teatro). Como ator e ou diretor/encenador ganhou vários prémios em Espanha, França e Marrocos. Participou em Festivais de teatro, como ator e ou diretor/encenador, em Portugal, Espanha, França, Itália, Marrocos, Arménia, Brasil, Venezuela, Costa Rica, México e Turquia. Coordenou a implementação em Portugal do Projeto Artístico e Educativo Europeu Crossing Stages, da Universidad Carlos III de Madrid, Espanha. Trabalhou como jornalista na área a cultura, no jornal Notícias da Covilhã e na revista raia.